<$BlogRSDURL$>

sexta-feira, abril 30, 2004

Shannon Wright "Over the Sun" (2004, Quarterstick)



A Shannon Wright foi a grande revelação em concerto de 2001. Era primeira parte de Calexico, mas ainda assim foi de tal maneira marcante que quase ofuscou a actuação dos Calexico. Depois dessa data... o problema. Onde se arranjavam discos da Shannon Wright? Sempre com uma distribuição péssima na Europa (ainda pior em Portugal), só o "Died in the wool" conseguiu alguma presença discreta nas lojas. No ano passado a aparição da Shannon no disco dos Rachel's fez-nos novamente lembrar a injustiça deste facto, mas não há razão para espantos. Esta é uma música dura e pouco convencional, demasiado crua para quem gosta de songwriters, demasiado songwriter para quem gosta de rock. Está no limbo, portanto. Mas, ainda assim, gente como Yann Tiersen, Calexico e Rachel's reparam na Shannon, e com a ajuda das lojas de discos on-line lá se consegue os discos da Shannon. Este "Over the Sun" é um novo mergulho num tumulto de emoções à flor da pele, a roçar o desespero, que não dá descanso. Mesmo em canções mais "calmas" como a "Avalanche" o desconforto mantém-se. Desconforto que acaba por ser suplantado pela voz da Shannon, inventiva e realmente única. Instrumentalmente este é o disco mais "rock" da Shannon, e já não lembra apenas a Lisa Germano. Começamos a pensar que há algo de PJ Harvey por aqui. E... como tanta música que por aí anda, continuará na sombra das distribuições musicais, que preferem fenómenos mediáticos como a insipida Carla Bruni ao que realmente mexe connosco.

(0) comments

segunda-feira, abril 26, 2004

Estou com uma enorme falta de inspiração para blogar. Não sei do que falar, nem como começar. Sendo assim limito-me a inaugurar a semana com uma listinha dos discos de 2004 que mais me marcam até ao momento:

Tortoise "It's all around you"
Squarepusher "Ultravisitor"
El-P "High Water"
Fennesz "Venice"
cLOUDDEAD "Ten"
Stereolab "Margerine Eclipse"
Einstürzende Neubauten "Perpetuum Mobile"
Hipnotica "Reconciliation"
Liars "They were wrong so we drowned"

Para além destes, dos ouvidos ainda apenas em mp3, destaco:

Arovane "Lilies"
Vladislav Delay "Demon(n)Tracks"
Sonic Youth "Nurse"
Shannon Wright "Over the Sun"

mas estes ainda não sairam em formato rodela.

Estes serão os mais essenciais, até agora.

(0) comments
Express Rising



Que bela companhia me fez este album esta manhã, numa viagem sonolenta por uma A8 ora envolta em nevoeiro, ora com um céu azul imenso a enviar um sol que já queima.
Já escrevi sobre este album no Fórum Sons, mas não resisto a deixar aqui mais uma referência ao hip-hop instrumental do Sr. Dante Carfagna (amigo de Dj Shadow), e aos seus loops de piano, cordas e beats, sempre numa suspensão quase divina.
Se ainda não conhecem, ouçam com a máxima urgência, e se quiserem comprar podem encontrar na Boomkat.

(0) comments

terça-feira, abril 20, 2004

Antony and the Johnsons


Enquanto não chega um novo album, fica a oportunidade de ouvir a magnífica voz de Antony num tema novo dos Antony and the Johnsons, "Find the Rhythm of your Love", composto para ser o hino da Biennale Bonn em Nova Iorque. Descarregar aqui.
Fica a esperança de o voltar a ver ao vivo (de preferência acompanhado pelos Johnsons), no concerto que os Current 93 darão em Lisboa em Setembro deste ano...

(0) comments
Novo album de Arovane





Segundo o site da editora City Centre Offices, sai a 14 de Junho de 2004 o novo album do alemão Arovane, com o título "Lilies".
Enquanto aguardamos impacientemente, o promo já circula no soulseek!

(0) comments

segunda-feira, abril 19, 2004

O que aí vem

Algumas edições para breve:

Sonic Youth - Nurse
Arto Lindsay - Salt
Devendra Banhart - Rejoicing in the Hands
Icarus - I Tweet The Birdy Electric
Charalambides - Joy Shapes
Banco de Gaia - You Are Here
Pan sonic - Kesto 4xCD (4 CDs?!?!?!)
Big Jus - Black Mamba (finalmente! era para ter saido no ano passado)
Skinny Puppy - The Greater Wrong Of The Right
Boom Bip - Corymb
Wagon Christ - Sorry I Made You Lush
DAT Politics - Go Pets Go
Murcof - Utopia
Reverbaphon - Our Hearts Beat With Joy (The Curved World Outside)
!!! - Louden Up Now
Amon Tobin/Various - Solid Steel
Black Dice - Creature Comforts
Venetian Snares - Huge Chrome Cylinder Box Unfolding
Luke Vibert & Jean-Jaques Perrey - Moog Acid (este nunca mais sai)

Resta esperar pelo aparecimento destes álbuns no soulseek ;-)

(0) comments

sexta-feira, abril 16, 2004

El-P : "High Water" (2004, Thirsty Ear)



A colecção "The Blue Series" da editora Thirsty Ear pretende encontrar novos caminhos para o jazz, misturando em estúdio músicos de diferentes áreas. Neste disco calhou a vez a El-Producto, um dos melhores produtores de hip-hop esquizóide do planeta, junto com o Blue Series Continuum, um grupo dinâmico de personalidades do (free) jazz contemporâneo.
Não se encontram aqui novos caminhos para o jazz, mas é discutível que se possa dizer que este é sequer um disco de jazz. É música. E da boa!

Neste trabalho, o diabo está nos detalhes. Este disco é uma verdadeira mina de pormenores escondidos. Samples alienígenas daqueles a que El-P já nos habituou (nos Company Flow ou a solo), refundidos quer de filmes série Z, quer do electro/industrial dos 70s e 80s, quer sabe-se lá de onde, criam um esqueleto "electrónico" e ambiental onde assenta o jazz dos intrumentos "reais" (e mesmo esses foram manipulados à posteriori pelo produtor).
O ambiente geral deste disco lembra uma jam session fumarenta e algo negra a bordo de uma nave espacial. O produtor nunca exagera nos samples, nunca "encobre" os restantes músicos. E esse é talvez um dos grandes trunfos deste disco.

Os destaques:

"Sunrise Over Bklyn" é um fantástico tema de 10 minutos, sempre em crescendo, como se pudessemos testemunhar a calma da noite, a paz do nascer do sol, e o consequente rebuliço de actividade das pessoas a despertarem, com a cidade a ganhar vida, outra e outra vez.

"Get Modal" é funk à custa de um entrelaçar viciante de baixo e bateria, e de samples de vozes cortadas, scratching, um riff swingante de guitarra em loop e mesmo algum electro. A trompete treme, dança e abana-se em espasmos. A certo ponto, o piano de Matthew Shipp é "desafinado" digitalmente e parece estar bêbado, cambaleante, ora agarrado a James Brown, ora em plena pirueta de b-boy. Isto é (e não é) hip-hop, isto é (e não é) electrónica, isto é (e não é) jazz, isto é (e não é) Red Snapper de "Prince Blimey". Acima de tudo é génio.

"Intrigue In The House Of India" traz mistério e ambientes fumarentos. Começa com um pulsar electrónico repetitivo. Depois a flauta a dá o toque oriental, o piano e a trompete criam o ambiente de espiões em jogo duplo. A certa altura aparece a batida, entre mais samples cinemáticos. O mistério adensa-se, o fumo torna-se mais espesso e sinistro. Acaba com o mesmo pulsar electrónico do início.
A espaços chega a lembrar Amon Tobin de "Out From Out Where", talvez devido aos samples de Bollywood que este usa. É um dos melhores temas do album.

Em "When The Moon Was Blue", a voz rouca gravada pertence ao pai de El-P (o disco é-lhe dedicado), um pianista. É um tema muito melancólico, com crescendos algo perturbantes, o loop de cordas desafinadas a abrir é quase psicótico. Nota-se talvez alguma redenção e saudade (a voz repete incessantemente "Hey yesterday, when the moon was blue..."), todo o ambiente dá a entender que mais uma vez El-P coloca a sua difícil relação com o pai numa canção (já tinha acontecido em "Funcrusher Plus" dos Company Flow no tema "Last Good Sleep").

Um excelente disco, que não é de qualificação fácil. Hip-hop ou jazz ou electrónica ou trip-hop?
Simplesmente um belo disco, um dos melhores do ano até agora.

(0) comments

quarta-feira, abril 14, 2004

Club Fórum Sons, sessão #2



Apareçam, começa às 23:00h.

(0) comments
Tortoise "It's All Around You" (Thrill Jockey, 2004)



Chegou aquele que será muito provavelmente o meu álbum do ano, e arrisco a dizer isto com tanto tempo de antecedência...

Não vou dizer muito. Sou fã. O "Millions now living will never die" é um dos meus 5 discos favoritos de sempre.

Coisas... os Tortoise têm agora um site bem catita:

www.trts.com

Agora com licensa, vou ouvir o disco. Há prazeres que não se descrevem. Se querem ler descrições do álbum, esperem que o Luís escreva alguma coisa se quiser ou então vão ler noutro lado :P

np: "Crest"


(0) comments

terça-feira, abril 13, 2004

Rob Mazurek "Sweet and Vicious like Frankenstein" (Mego, 2004)



Rob Mazurek... mais conhecido como o trompetista (ou tocador de cornetim?) dos Chicago Underground, colaborador assiduo de todos os grupos da "cena de Chicago" (Tortoise, Gastr Del Sol, The Sea and Cake), assina aqui uma obra a solo sem trompete/corneta na mão, mas com computador, minidisc e tone generator. Sim, field recordings, bleeps, electrónicas a servir dois longos temas que preenchem um CD de aproximadamente 1 hora. Quem ouviu o álbum do Jim O'Rourke para a Mego sabe já mais ao menos o que espera (o Jim deu uma mãozinha aqui), mas o sentimento de leveza do Jim é aqui substituido por uma toada francamente mais industrial devedora de uns Throbbing Gristle e com uma postura a lembrar coisas como Orchester 33 1/3. Há aqui colagens fumarentas alternadas por momentos melódicos e uma procura de um som/ruído "orgânico" no meio dos sons digitais. Mais importante, contudo, é que a óbvia experiência do Rob enquanto músico de sons acústicos leva-o a ter aqui uma abordagem diferente do habitual, como uma excelente noção do espaço que deve ocupar com ruídos. Apesar de longos, os dois temas passam num instante e volta-se a ouvir, como se fosse o ruído do nosso cerebro. Sem ser particularmente inovador, este disco revela-se como um dos melhores a ser lançado pela Mego nos últimos anos.

E para breve... Chicago Underground Trio!

(0) comments

segunda-feira, abril 05, 2004

Fennesz "Venice" (Touch 2004)



O que é ruído e o que é melodia? É mais importante a melodia ou o ruido? Haverá melodia no caos? Mais importante, poderá surgir beleza no meio da desordem?
No "Endless Summer" o Fennesz conseguiu trazer beleza do meio do ruído, em temas já quase clássicos como "Caecilia". Os temas surgiam fumarentos e psicadélicos, e sugeriam exactamente o que o titulo dizia, um verão infinito. Juntamente com o "Beaches & Canyons" dos Black Dice, até parece que estou na praia quando o ouço.

"Venice", o novo álbum de originais do Fennesz, consegue o mesmo feito. Mas aqui o sol da praia dá lugar às paisagens belas e bucólicas de Veneza e da Laguna... verdadeira música ambiental que entra directamente na alma e que nos transporta para um mundo "ideal", feito de microparaisos que se criam de forma espontanea, como um renascimento feito por máquinas em que Miguel Angelo inspira novas imagens digitais (neste caso, sons). É dificil explicar o que se ouve aqui para quem nunca ouviu Fennesz. Mas este álbum tem tudo para mostrar que a música electrónica tem muita alma quando é feita com a sensibilidade com que o Fennesz a faz.

E sim, é mais um dos grandes discos do ano.

(0) comments


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours?