<$BlogRSDURL$>

quinta-feira, março 03, 2005

Syndrone : "Salmataxia" (2004, Merck)



Os primeiros segundos deste album servem para testar desde logo a resistência do ouvinte. Carrega-se em play e é-se bombardeado com mil minúsculos fragmentos sonoros, envolvidos em ondas de estática que ora se comprimem ora se distendem, enquanto uma melodia macabra se insinua aos poucos. É um começo complicado, que tanto pode fazer com que, instintivamente, o ouvinte esmague o botão stop, como provocar um sorriso.
Vale a pena persistir. É um album dificil, que premeia os mais audaciosos e insistentes. Ritmos partidos e repetitivos (soam algo familiares a alguns albuns de industrial dos anos 90), muito abstractos, melodias muito estranhas, mesmo diabólicas (à medida dos Coil, por exemplo), noise, estática. Universos que não pertencem aos imaginários mais comums. Após algumas audições, começam a aparecer as peças que permitem compreender melhor este estranho puzzle, as melodias, os sentimentos.
Travis Stewart deu uma entrevista em 2002, onde explica o seu percurso como ouvinte, até chegar À electrónica. Segundo ele, começou com os Metallica de "And Justice For All", passou aos Ministry de "Psalm 69..." e através destes descobriu os Skinny Puppy. Aqui (no oitavo ano) investigou toda a cena industrial. Então algum outro fan de Skinny Puppy lhe aconselhou Download, o que lhe abriu as fronteiras e o levou aos Autechre, e "Tri Repetae" tornou-se num dos albuns da sua vida (nada de estranhar, diga-se).
Este é um percurso que diz muito da música que se pode ouvir neste album. Há aqui uma tentativa de pegar nos dois últimos albuns dos Autechre, "Confield" e "Draft 7.30", e tentar seguir pelo caminho que eles iniciaram. Penso que é um objectivo que é aqui atingido com sucesso, chegando mesmo a conseguir incutir mais emoção, criando pormenores lindíssimos que se misturam com a produção irrepreensível.
Tanto para quem se queira perder nos infinitos pormenores, nos infindáveis pequenos sons, melodias doentias, lamentos, como para quem queira apenas apreciar o que é possível fazer com um portátil, e imaginar-se num futuro distante e hiper-tecnológico, este é um album para aventureiros.

Comments: Enviar um comentário


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours?