<$BlogRSDURL$>

quinta-feira, junho 29, 2006


Nº 26 da Mondo Bizarre

e já só faltam 24 números para a nº 100 :)

Como vem sendo hábito, voltei a colaborar com a Mondo Bizarre, desta vez com entrevistas a Ellen Allien & Apparat (na capa) e Bypass, e críticas aos discos de Ellen Allien & Apparat e Uusitalo.

E ainda:

Final Fantasy - Cansei De Ser Sexy - The Legendary Tiger Man - Year Future - Red Krayola - Ellen Allien & Apparat - X-Wife - Dave McKean - Stuart Staples - Ken Vandermark - Bypass - Sonic Youth - The Raconteurs - ESG - Serge Gainsbourg Revisited - Gnarls Barkley - Current 93 - The Twilight Singers - Six Organs Of Admittance - Loose Fur - TV On The Radio - The Black Heart Procession


Um grande número, assim parece. :)

(1) comments

segunda-feira, junho 26, 2006

Uusitalo : "Tulenkantaja" (2006, Huume)



Vladislav Delay está de volta, desta vez sob o disfarce Uusitalo. Este é o segundo trabalho em que usa este pseudónimo, depois de "Vapaa Muurari Live" de 2000, lançado na Force Inc. Esse album de 2000 serviu como um escape techno para Delay, depois dos lançamentos ambientais ("Multila" e "Entain"), do house que assinou como Luomo e da electrónica hiper minimal de Sistol. Este novo album continua na via do techno.
O som apresentado poderá situar-se algures entre Detroit e Berlim. Mas tem passagem pela calma da fria Finlândia, cujas paisagens fantasmagóricas cobrem a capa e booklet do cd. São ambientes algo desolados aqueles que podemos ouvir, disfarçados por entre os ritmos techno/funk/house alimentados por batidas quadradas e maquinais. Em alguns momentos também viajamos até ao cinzento mais urbano de Londres, com alguns sub-graves mais vibrantes a lembrarem o dubstep que por lá floresce. Também aparece o techno mais "emocional" de Lawrence ou Pantha du Prince.
Mas acima de tudo, este trabalho não se afasta muito do já vasto percurso que Vladislav Delay fez até aqui. A sua larga discografia varia entre o ambient, o house, o techno ou a electrónica mais difícil de classificar que lança com a sua companheira AGF. E nota-se que este trabalho faz parte desse todo. Temos assinaturas inconfundíveis, sinais evidentes de quem está por trás das máquinas. E ele faz questão de confundir tudo e deliciar os ouvintes que consigam passar além do mais óbvio, e não desistam nas primeiras audições.
Excelente, como tudo em que este finlandês toca.

(0) comments

segunda-feira, junho 19, 2006

tube'|043
Kubik
Infinite Territory

Victor Afonso is a portuguese musician living in Guarda, a city lying near Serra da Estrela (Star Mountain) at some 1000 meters above the sea level. He has been releasing music under the name Kubik (2 albums) as well as in many other projects. “Oblique Musique” and “Metamorphosia” albums recorded as Kubik showed up a musician deeply inspired by cinema and also by a great variety of music, from eastern europe folk to contemporary drum’n’bass. This alloy allowed Kubik to develop a very personalized and surrealistic sound, which defies the listener imagination with a wave of references sequenced in a way that take shape in the form of musical pieces. “Infinite Territory” is his new release. It is a departure from earlier works, because here Victor Afonso decided to explore electronic music more close to the IDM genre. It is obvious from “Infinite Territory” that musicians like Amon Tobin or Aphex Twin play an important role as sources of inspiration. This EP is very well balanced between ambient soundscapes and bursts of drill’n’bass, showing Kubik at the maximum of his skills and inspiration. From phantasmagorical pieces like “Bona Fide”, to kinetically unstable tracks like “Infernis”, “Plus Ultra” and the surrealistic “Non Hilum” (perhaps the track more related with his previous works), Kubik shows up his personal view of what electronic music (or IDM) can be, with a great capability to create images in the mind of the listener, rather than being purely another kind of dance music. “Infinite Territory” is therefore a kind of a soundtrack of a lost science-fiction movie, lost in the outskirts of the galaxy (or, more precisely, of the mind), exploring lost territories and lost spirals that liewithin the more pristine forces of nature.

PS: o texto foi escrito em inglês para a Test Tube. Podem sacar o álbum aqui.

Textos relativos: crítica ao álbum "Metamorphosia" de Kubik.

(0) comments

sábado, junho 17, 2006

Helios : "Eingya" (Type Records, 2006)



Sempre que ouço este disco, e tem rodado bastante cá por casa, desde o primeiro tema que o tempo parece passar mais vagaroso. O ritmo da respiração do ouvinte abranda, os olhos humedecem levemente, a garganta aperta. O peso da beleza do trabalho que Keith Kenniff apresenta é sufocante. Nada que não nos tivesse já habituado, seja sob o pseudónimo de Helios (magnífico "Unomia", lançado na Merck em 2004) ou de Goldmund. Mas este album bate tudo o que ele já fez anteriorente.
Em vez da predominância da electrónica do album de estreia "Unomia" ou da solidão dos temas em piano que apresenta como Goldmund ("Corduroy Road", também na Type, 2005), aqui juntou dedilhares de guitarra, bateria, e outros instrumentos, todos eles executados como se o mundo fosse terminar no dia seguinte. A gestão dos silêncios, todas as emoções que consegue libertar, apontam em várias direcções: desde a desolação nocturna do album de estreia dos A Silver Mt. Zion : "He has left us alone but shafts of light sometimes grace the corners of our rooms", até aos ambientes mais épicos dos Sigur Rós, passando pela delicadeza e suavidade de Colleen, ou pelos ambientes bucólicos dos loops mágicos de Manyfingers.
A cereja no topo do bolo são quatro versos de Fernando Pessoa que Helios decidiu colocar no inlay do cd: "I'm not who I have in memory / Nor who is in me now. / If I think, I self-dismember. / If I believe, there is no end."
É uma absoluta recomendação, para fans de IDM, de metal, de rock, pop, indie, seja para quem for. Ouçam e apaixonem-se.
É também uma confirmação da excelência da editora Type. Depois de Deaf Center e Sickoackes, a melhor melancolia mora ali.

(0) comments


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours?